23 de dez de 2010

Além, bem além de si, meu Ceará, BORA !

É com muita satisfação que compartilhamos com vocês uma mensagem enviada por nosso querido Henrique Beltrão. Poeta, radialista e professor, Henrique nos enviou esta belíssima mensagem direto de Nantes, França, onde ele está morando atualmente: “Em agosto, quando meu parceiro Wilton Matos me falou pelo Skype do BORA!, eu escrevi este texto, simples reverência à união nossa: plural pela paz sem fronteiras em todos os sentidos.”

Que os elos sejam fortalecidos, semeados, compartilhados. Agradecemos os versos, Henrique, com votos de que você possa também estar em breve mais próximo de nós, em presença, música e poesia, tão logo aporte por estas terras alencarianas. BORA!

______________________________________________

Além, bem além de si, meu Ceará, BORA !

Alan Mendonça rima a Radiadora Cultural com nosso Ceará Autoral ! Vamos girar A Engrenagem da Cidade que jaz prestes a ser despertada pelo silvo Silvino que aparece na quebrada da barra Aparecida, com as verdes águas banhando Janaína em verdes mares bravios deixando Marco e Marcos, plural e singular, no Breculê das vibrações de todas as naves, de Argonautas a outros arcos, Zarco, por sobre Leão e Leonel, rugindo contra o rangido antigo, em todas as boas vidas das Villas Boas de novos Renegados a tomar as ruas de Fortaleza por pura beleza de ser em todos os Encontros Casuais que florescem Florêncios, soltos pelas Esquinas do Brasil, onde mil tons ganham os Matos, as ribeiras, tudo feito Lisboa antiga mas renovada qual Miss, Cauim cantando beira-mar, beira-rio, Breier Brasil nosso de cada dia, porque às Cinco em Ponto, ou mais além, quero 4deCada,sem que ninguém nos acuda, Fukuda, livre de tudo, Custódio, jóia de nós, Joyce, vou nos galopes, Lopes até Lifanco, onde raia Fulô da Aurora mais uma Lídia manhã irmã, Vige Maria,dos Electrocatus que se espalham por serra, praia e sertão inté chegar além mar, aqui em Nantes, o velho Beltrão ecoa o que se diz na Terra do Sol – a semear novidades para outras cidades além do arrebol.

Henrique Beltrão

Um comentário: